CANNABIS MEDICINAL: O FUTURO DO TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA?

O câncer de mama é uma doença desastrosa que afeta a vida de pacientes e famílias em todas as partes do mundo. Continua a ser a doença maligna mais comum entre as mulheres ocidentais e representa 22,9% de todos os cânceres em mulheres em todo o mundo. Em 2008, o câncer de mama foi relatado como a causa de mais de 450 mil mortes ao redor do mundo.

CANABINOIDES E CÂNCER
Embora as propriedades médicas da cannabis tenham sido documentadas pela civilização humana há mais de mil anos, o potencial terapêutico dos canabinoides no tratamento do câncer só foi descoberto recentemente. Desde o final da década de 1990, diversos estudos pré-clínicos demonstraram os efeitos antitumorais dos canabinoides em uma variedade de cânceres.

Os estudos mostram que os receptores de canabinoides são excessivamente expressos nas células tumorais de certos tipos de câncer, como câncer de fígado, pulmão, próstata e mama. Assim, os pesquisadores foram levados a acreditar que o sistema endocanabinoide pode ser regulado no câncer em um esforço biológico inato para combater esta doença.

Estudos também mostram que, quando os canabinoides são administrados e se ligam a esses receptores, são capazes de inibir o crescimento de células cancerígenas, prevenindo a proliferação e induzindo a morte das mesmas (apoptose). Além disso, descobriu-se que os canabinoides prejudicam tanto a angiogênese tumoral – o aumento do fluxo sanguíneo localizado como induzido por células tumorais – e a metástase – a propagação do câncer a outros órgãos.

CANABINOIDES E CÂNCER DE MAMA
Embora os avanços médicos no câncer de mama tenham progredido nas últimas décadas, certos tumores de mama continuam a ser resistentes aos tratamentos convencionais. O câncer de mama é composto de tumores que são distintos em seus perfis moleculares, levando profissionais médicos a categorizar a doença em 3 subtipos principais.

A pesquisa sugere que os canabinoides sintéticos e os fitocanabinoides (principalmente THC e CBD) podem ser úteis no tratamento de todos os 3 subtipos de câncer de mama, com a maior evidência de potencial terapêutico apontando para o tratamento de tumores de mama HER2-positivos e triplo-negativos. O potencial terapêutico dos canabinoides é particularmente importante para pacientes com câncer de mama triplo negativo, pois não existe uma terapia padrão que atualmente existe e o prognóstico para este grupo de pacientes é pobre.

Além dos seus efeitos anticancerígenos, a pesquisa também mostra que os canabinoides são consideravelmente mais seguros e menos tóxicos do que os tratamentos convencionais. Eles não são tóxicos para as células não tumorais e são bem tolerados pelos pacientes – apenas provocam efeitos colaterais relativamente leves, como tonturas e fadiga. “Este composto oferece a esperança de uma terapia não tóxica que possa alcançar os mesmos resultados sem nenhum dos efeitos colaterais dolorosos.” – Dr. Sean McAllister.

Em 2007, o Dr. Sean McAllister e sua equipe de pesquisadores foram um dos primeiros a descobrir que as propriedades de luta contra o câncer do CBD poderiam ser aplicadas com sucesso no câncer de mama.

Como resultado, os canabinoides podem fornecer uma variedade de outros benefícios no tratamento do câncer, incluindo a prevenção de náuseas e vômitos associados a tratamentos quimioterapêuticos padrão e redução da dor associada ao câncer. A pesquisa também mostra que, quando combinados com tratamentos convencionais de câncer, os canabinoides são capazes de induzir uma ação sinérgica contra câncer e células tumorais, sugerindo que a combinação de tratamentos convencionais e baseados em canabinoides pode ser mais poderosa do que a administração de qualquer tratamento sozinho.

APLICAÇÕES CLÍNICAS: O ESTADO EM CURSO
Infelizmente, a pesquisa científica sobre os efeitos dos canabinoides no câncer de mama foi limitada a ensaios pré-clínicos envolvendo culturas celulares e modelos animais. Os pesquisadores acreditam que são necessários novos ensaios pré-clínicos para identificar qual população de pacientes é a mais apropriada para o tratamento e quais os canabinoides apresentam especificamente a melhor opção terapêutica para os pacientes antes que os ensaios possam avançar para o estágio clínico.

Até que esses fatores sejam estabelecidos, é improvável que os oncologistas estejam dispostos a prescrever medicamentos baseados em canabinoides para o tratamento do câncer de mama, apesar de os pesquisadores continuarem a afirmar a necessidade de os profissionais de saúde estarem atentos à pesquisa sobre o assunto.

Em uma atualização recente (2013) publicada no Oncology Nursing Forum, a editora associada, Susan Weiss Behrend, concluiu: “… os canabinoides demonstraram atividade antitumoral em modelos pré-clínicos de câncer de mama. Os profissionais de oncologia precisam estar cientes do potencial clínico desses agentes.”

Enquanto a cannabis medicinal permanece inacessível para a maioria, os fármacos à base de canabinoides como Marinol e Cesamet (cápsulas orais de THC sintético) estão amplamente disponíveis para pacientes com câncer no tratamento de náuseas induzidas por quimioterapia. Além disso, Sativex (um spray de boca) foi aprovado no Canadá para o tratamento de dor associada ao câncer.

À medida que a pesquisa moderna de canabinoides floresce e continua a fornecer uma forte evidência dos efeitos de combate a câncer desses compostos, os pacientes devem permanecer otimistas sobre o futuro da pesquisa sobre o câncer e o papel emergente dos tratamentos que um dia pode ocupar um lugar central na batalha contra esta doença devastadora.

Fonte: Medical Marijuana 411

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *